segunda-feira, 9 de julho de 2012


Poema para Monique


Tinha olhos de anestesiar
Nem precisava do resto
Bastava o olhar.
Mas por trás daquela tela
Acredite, era sim toda bela
Era inteligente e sagaz
Maliciosa e voraz.

Uns a amavam
Outros a idolatravam
Não raros a devoravam
Só com o pensar.
Mas poucos
Como eu, por exemplo
Conseguiam sua alma decifrar.

Isso porque atrás do personagem
Tudo não passava de uma imagem.
Ainda era linda
Mas doce e sensível
Porque ela sabia
Que como o poeta dizia
O essencial era invisível...

Um comentário: